21 dicas para ter o casamento blindado [Abençoando]

 


O conceito de "casamento blindando" tornou-se popular graças a um dos ministérios do Templo de Deus, que se dedica a oferecer dicas sobre como manter o casamento seguro.

Os criadores deste ministério são Cristiane e Renato Cardoso, que possuem livros e outros materiais sobre o assunto.

Além da tarefa do Santuário Mundial de ensinar os cônjuges a defender o casamento, há ainda outras dicas que provêm da inteligência bem sucedida, diretrizes psiquiátricas e outras. Veja agora 21 delas:


Ter empatia: as pessoas tendem a acreditar que seu problema é mais sério do que o de seu cônjuge. Por esta razão, é essencial que o casal tenha empatia, ou seja, que tente ver o caso tendo em mente o ponto de vista do outro.


Tenha humor: é verdade que existem situações diárias em que é difícil permanecer alegre, mas é melhor rir com o cônjuge sobre os prováveis problemas do que transformá-los em uma base para mais fadiga.


Evitar acusações: apontar o que a outra pessoa fez de errado na interação ou em uma determinada situação só produz mais brigas, ainda mais uma vez que a questão já tenha sido abordada anteriormente.


Pedir desculpas: muitas das brigas do casal poderiam ser resolvidas por um dos parceiros que pedisse desculpas. Entretanto, é importante que o indivíduo que pede desculpas entenda verdadeiramente que foi enganado.


As demonstrações de afeto são fundamentais para que o amor seja mantido e protegido;


Acalme-se ao invés de lutar: indivíduos que permanecem bastante zangados ou feridos tendem a não ver uma solução para a discórdia. Portanto, é essencial oferecer um passo atrás e deixar o cônjuge se acalmar.


Não forçar opiniões: deve-se lembrar que o parceiro já possuía certos gostos e opiniões e tem direito a um pensamento pessoal.


Não reter os inconvenientes: muitos casais não falam de seus inconvenientes e eles se acumulam. É melhor adquirir o hábito de enfrentar qualquer desagrado.


Não mencione que o indivíduo fez algo de propósito: às vezes é difícil para o parceiro mudar sua reação, mesmo que ele tente.


Não reavive os problemas já resolvidos: uma vez que o casal já resolveu um problema definitivo e pediu desculpas, o assunto não deve ser mencionado novamente.


Evite palavrões: mesmo que você tenha que mencionar algo desagradável ao seu parceiro ou se o indivíduo estiver nervoso, o uso de palavrões e insultos é bastante prejudicial para a qualidade da interação.


Não crie confusão por nada: muitas pessoas inventam argumentos em seus casamentos por coisas desnecessárias.


Deixe ir: se a questão que causou a briga não foi séria (uma resposta tortuosa quando você sabe que a outra parte está tendo uma semana difícil, por exemplo), é melhor deixar ir e não transformar a briga em algo mais sério.


Mantenha sua aparência atualizada: o casamento não só é preservado pela beleza, mas é essencial manter a outra parte interessada e bem sucedida.


Mantenha a auto-estima do outro elevada: tanto homens como mulheres devem oferecer e receber elogios sinceros.


Evite trazer à tona seus inconvenientes: é comum que as pessoas estejam em sofrimento, preocupadas no trabalho ou cansadas e acabem brigando com seu cônjuge por causa disso, o que deve ser evitado.


Evite a rudeza: há famílias que permanecem acostumadas a respostas mais "afiadas" e não acham que seja tão grande coisa. Entretanto, o cônjuge pode não gostar e isso pode ser o gatilho de uma briga.


Manter a privacidade do casal: medos, apelidos afetuosos e outras coisas íntimas devem pertencer apenas aos cônjuges.


Ter programas para 2: mesmo que o casal tenha uma situação econômica reduzida ou tenha filhos, é importante manter as ocupações somente para os cônjuges.


Não conte segredos embaraçosos: em um círculo de amigos, é inapropriado discutir situações que podem embaraçar seu cônjuge.


Mostre que seu cônjuge é uma prioridade.

Postar um comentário

Post a Comment (0)

Postagem Anterior Próxima Postagem